segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Alergia mão

Dermatite de contato alérgica é uma condição de pele itchy causada por uma reação alérgica ao material em contato com a pele. Ela surge algumas horas após o contato com o material responsável, e se estabelece ao longo de alguns dias fornecendo a pele não está mais em contato com ele.

Dermatite de contato deve ser diferenciado de urticária de contato, no qual aparece uma erupção cutânea em poucos minutos de exposição e desaparece dentro de minutos a horas. A reação alérgica ao látex é o exemplo mais conhecido de urticária de contato alérgica.

Dermatite de contato alérgica também é distinta da dermatite de contato irritativa, em que uma condição da pele semelhante é causada por contato excessivo com irritantes. Irritantes incluem água, sabões, detergentes, solventes, ácidos, álcalis, e atrito. Dermatite de contato irritativa pode afetar qualquer pessoa, desde que tenham tido exposição suficiente para o irritante, mas aqueles com dermatite atópica são particularmente sensíveis. A maioria dos casos de dermatite de mão são devido ao contato com substâncias irritantes.

Alergia é o termo dado a uma reação por um pequeno número de pessoas a uma substância (conhecido como o alérgeno), que é inofensivo para aqueles que não são alérgicas a ele. Apenas pequenas quantidades de alérgenos são necessárias para induzir a reação. Alergia de contato ocorre predominantemente a partir do alérgeno na pele, em vez de partir de fontes internas ou comida. O primeiro contato não resulta em alergia, muitas vezes a pessoa foi capaz de tocar o material para muitos anos sem reação adversa.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Faringite, o que é ?

A faringite é a inflamação da faringe (área da garganta que está situada entre as amígdalas e a laringe). A dornça pode tanto ser o primeiro sintoma de um simples resfriado quanto de um problema mais grave, como uma virose chamada mononucleose, muito comum em crianças.

SINTOMAS mais comuns

Os sintomas da faringite são a sensação de "garganta arranhada", febre, pus na garganta, dor de ouvido e dificuldade para engolir.

AGENTES

A faringite que acontece subitamente, tamém chamada de "faringite aguda", pode ser causada por bactérias ou por vírus. Já a faringite que dura um longo tempo, chamada de "faringite crônica", ocorre quando uma infecção se "espalha" de outro lugar (como o nariz) para a faringe.

PREVENÇÃO

Não fumar, não permanecer em ambientes poluídos, não dividir copos e talheres.

COMPLICAÇÕES

A doença pode evoluir para infecções mais graves, como a meningite.

TRATAMENTO

Deve ser prescrito por um médico, e inclui analgésicos, pastilhas, anti-térmicos e, eventualmente, antibióticos.

Laringite, o que é ?

É a inflamação da laringe (região da garganta onde estão as cordas vocais). Trata-se de uma doença que pode aparecer sozinha, ou também ser um sintoma de bronquite, pneumonia e de outras infecções respiratórias.

Sintomas

A laringite não causa muita dor, mas provoca rouquidão e tosse seca. Em geral, a voz do doente vai enfraquecendo ao longo do dia.

Agentes

Os causadores da laringite podem ser vírus, bactérias e agressões ambientais como bebidas muito geladas.

Prevenção

Não fumar, não tomar bebidas geladas, não compartilhar talheres e copos, repusar a voz, dormir bem, não gritar.

Complicações

Progredir para infecções maiores (como a meningite) ou provocar graves problemas na voz. Tratamentos Devem ser prescritos pelo médico. Podem incluir desde o repouso até o uso de antibióticos.

Choque Anafilático

Hoje já é incomum ocorrerem mortes provocadas por choques anafiláticos, pois nem todas as reações são graves a este ponto e também porque existem medicamentos que podem reverter o quadro. Quando ocorre a anafilaxia, grandes quantidades de histamina e outras substâncias são liberadas pelos mastócitos ao longo de todo o corpo.

A liberação de “mediadores inflamatórios” causa a dilatação dos vasos sanguíneos, diminuindo a pressão arterial. As vias respiratórias se estreitam e fica difícil respirar. Sintomas do choque anafilático incluem urticárias, inchaço dos lábios, língua e garganta, náusea, vômitos, dor abdominal, diarréia, falta de ar, queda da pressão, convulsões e perda de consciência.

Estes sintomas surgem muito rapidamente após o contato com o agente desencadeante. Quando são muito rápidas, essas reações deixam pouco tempo para atendimento hospitalar. Se seu médico suspeitar que você corre algum risco, ele pode recomendar que você tenha sempre à mão um kit de emergência que deve ser usado imediatamente, aos primeiros sinais de um choque anafilático. Não espere que apareçam outros sintomas, pois nunca se sabe a gravidade da reação.

Fale com seu médico, veja se você precisa desse kit e aprenda a utilizá-lo da forma correta. Ensine sua família como usá-lo também e mantenha-o sempre à mão, em lugares como seu carro, trabalho ou cozinha. Se seu filho corre o risco de choque anafilático, mantenha o kit em casa, na escola e deixe-o ao alcance de babás ou qualquer pessoa que estiver cuidando dele.
Conheça os locais de atendimento de emergência na sua cidade. Quando viajar, se informe sobre os locais de atendimento na cidade que você está visitando.

Alergia a remédio

Alergia a medicamentos é a principal causa de reações anafiláticas, as quais podem ser mortais. As drogas mais associadas a esse tipo de reação são: analgésicos (ácido acetilsalicílico, dipirona), antiinflamatórios, antibióticos, relaxantes musculares, alguns anticonvulsivantes, além de sangue ou seus componentes. Alguns alimentos e aditivos alimentares também podem provocar reações anafiláticas.

Se você tem alergia a remédios é muito importante ter esse tipo de informação impresso entre seus documentos pessoais. Carregar um cartão com os tipos de alergia que você tem pode ajudar médicos e equipes de resgate a tratá-lo com mais precisão. Peça que seu médico lhe oriente na confecção deste cartão de identificação.

Se você suspeita que apresentou reação alérgica a algum medicamento procure orientação especializada para esclarecer a sua condição.

Coceira na pele nem sempre é alergia

Coceira (ou Prurido) é a sensação na pele que leva ao desejo de coçar em busca de alívio. A palavra prurido deriva do latim pruritus e significa comichão, coceira. É descrita coceira em quase todos os vertebrados terrestres e pode variar desde formas leves, sel lesões aparentes na pele até formas graves, acompanhadas de escarificação e mutilações.
O Prurido é um sintoma subjetivo, ou seja, é uma sensação particular, variando em cada indivíduo e inerente às suas condições pessoais. É um sinal de que algo ocorreu para deflagar o sintoma. A coceira é comandada pelo sistema nervoso e tem um mecanismo muito similar ao da dor, indicando a presença de um fator irritante que ocasiona o sintoma e que necessita ser removido e controlado.
Chama-se de prurido simples nas ocasiões quando não há presença de lesões aparentes na pele. Ao coçar, produz-se a coçadura, que quando é feita de forma suave, extingue o sintoma sem deixar marcas. Mas, com o passar do tempo, a repetição do ato de coçar pode levar ao aparecimento de escoriações, manchas e engrossamento da pele.
É comum que as pessoas pensem que se a pele coça, deve ser uma alergia. Mas, este conceito cai por terra quando estudamos o universo deste sintoma, que pode surgir por inúmeras causas. È possível coçar porque a pele está ressecada como também refletindo doenças ou exprimindo dificuldades emocionais.
Roberto Lent, cientista da UFRJ em sua coluna publicada na revista Ciência Hoje em fevereiro de 2007, relata uma experiência curiosa realizada com voluntários que assistiam a uma conferência sobre a coceira, na qual se apresentavam transparências presumivelmente pruritogênicas (fotos de pulgas, pele arranhada, reações alérgicas), e depois fotos relaxantes, indutoras de bem-estar (crianças com a pele suave, almofadas fofas, pessoas tomando banho). Durante a conferência, o público era filmado por inúmeras câmeras posicionadas estrategicamente no auditório e a análise do filme feita posteriormente revelou que o público se coçou mais durante a palestra e na exibição das transparências pruritogênicas do que durante as relaxantes, sugerindo uma forte indução psicológica.
Doenças alérgicas que causam prurido:
- Reações alérgicas a medicamentos
- Dermatite Atópica
- Urticária
- Eczema de Contato
- Reações a alimentos
- Reações a agentes físicos: calor, frio, suor, etc.
Caso você tenha alguma alteração cutânea ou coceira, procure um médico alergista que irá analisar seu caso e detecar a causa, se é alérgica.
Entretanto, é importante lembrar que inúmeras condições e doenças podem causar prurido. Uma situação sem gravidade mas que pode se tornar incômoda é a coceira ocasionada pelo ressecamento da pele, que pode ocorrer em qualquer pessoa, mas em especial nos idosos, nos portadores de atopia ou em situações específicas.
O ressecamento cutâneo tende a coçar porque há um desequilíbrio no manto gorduroso que encobre a pele ocasionando menor proteção e maior facilidade de irritação, desencadeando a coceira. Por isso é muito importante hidratar a pele através de cuidados simples no banho diário, como o uso de sabonetes apropriados e afastamento dos fatores irritantes como a água quante, buchas e esponjas. Além disso, a utilização diaria e logo após o banho de um hidratante, aliado à ingestão hídrica adequada contribuirão para amenizar o problema.
Doenças que podem provocar prurido cutâneo:
- Doenças do Fígado: podem provocar acúmulo de sais biliares e provocar coceira incômoda, difícil de tratar e que não responde bem ao uso de antialérgicos (antihistamínicos).
- Diabetes
- Doenças do Rim, decorrentes da dificuldade na filtragem renal e aumento de substâncias no sangue que levam à coceira.
- Fatores hormonais: gravidez, menstruação.
- Doenças endócrinas
- Infecções: viroses como a catapora, por exemplo, se acompanham de coceira intensa. A escabiose (sarna) é uma parasitose que provoca coceira.
- Intoxicações por álcool e cocaína.
- Verminoses – oxiúros, por exmplo, se alojam no intestino e provocam coceira no ânus.
- Psicoses e psiconeuroses
- Outros.
Se você tem um prurido persistente, que não melhora, procure um médico para detectar a causa e indicar um tratamento adequado. Cremes e pomadas caseiras podem mascarar o quadro e piorar o problema.

Como aumentar a imunidade

Com a variação de temperatura, alguns sintomas como espirros, nariz entupido e aquela tosse constante começam a incomodar. Aí, você já pensa logo que se trata de uma gripe, o que é comum nessa época do ano (sem falar na tal gripe suína!). E, então, se entope de remédios, vitamina C etc. Mas se sintomas como esse não te deixam em paz ou aparecerem com muita frequência, pode ser que o seu organismo esteja dando um sinal de baixa imunidade. É quando a situação complica, porque uma alteração dessas no sistema imunológico favorece o aparecimento de várias outras doenças, alergias e infecções.
Entre as células do sistema imunológico estão os glóbulos brancos, também chamados de leucócitos, que têm a função de combater agentes causadores de doenças, capturando os microorgamismos estranhos ao organismo. São elas, também, que produzem anticorpos contra doenças. No entanto, alguns fatores podem diminuir a quantidade dessas células de defesa no sangue, nos deixando mais desprotegidos.
'Quando há uma alteração no sistema imune e as células não conseguem responder ao agente agressor, seja ele um vírus, uma bactéria ou um fungo, ele não é eliminado do organismo, provocando a doença', explica a imunologista Elisabete Blanc, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), no Rio de Janeiro.
É assim mesmo que funciona: estes microorganismos se aproveitam da fragilidade do organismo e atacam, principalmente nessa época do ano. 'O frio facilita a proliferação de vírus e bactérias e, por isso, as mudanças climáticas favorecem muito o aparecimento de alergias e infecções, principalmente respiratórias', esclarece a imunologista.
Mas os males causados pela baixa imunidade não param por aí. Além de gripe e infecções respiratórias, um organismo fragilizado fica exposto a otite (inflamação do ouvido), pneumonia, problemas gástricos, cistite, herpes e muitos outros problemas.
As causas da baixa imunidade do organismo são diversas. Ela pode estar relacionada a fatores hereditários, a outras doenças como Aids e diabetes, à carência de vitaminas, a desequilíbrios emocionais como depressão e estresse, à obesidade, a uma nutrição desequilibrada etc.
Segundo José Marcos, imunologista do Hospital Quinta D'Or, no Rio, certos sinais indicam que há algo de errado com o organismo e, por isso, merecem a nossa atenção: 'Quando o número de infecções for muito frequente, se elas forem muito graves ou se forem diferentes das habituais, é melhor procurar um médico. Doenças que se repetem e que não são completamente resolvidas mesmo com um tratamento adequado são um sinal de alerta', avisa o médico.
No entanto, é possível driblar esses inimigos da nossa saúde adotando certas táticas para deixar o funcionamento do nosso sistema imunológico em dia.
Para começar, vale optar pelos complexos vitamínicos. “As vitaminas são essenciais para garantir a boa imunidade do organismo', explica Jorge Jamili, especialista em medicina ortomolecular.
Segundo ele, a Vitamina A, por exemplo, fortalece a resposta imunológica, principalmente em se tratando das viroses infantis. Já a vitamina C possui efeito estimulador sobre os glóbulos brancos (leucócitos). A vitamina E aumenta a imunidade principalmente nos idosos, enquanto o complexo B aumenta a quantidade e a atividade dos anticorpos.
Além das vitaminas, o médico dá algumas dicas de alimentos que fortalecem nossas defesas. 'Frutas, legumes e verduras devem estar presentes em todas as refeições, pois reforçam o sistema imunológico. Além disso, é importante a ingestão de cereais integrais e de proteínas de alto valor biológico como o tofu queijo de soja), peixes e frango', aconselha o especialista.
Já o açúcar deve ser evitado, enquanto pães, massas e arroz branco devem ser substituídos por suas versões integrais. 'O sistema imunológico reduz a atividade em até 5 horas após a ingestão de açúcar e doces', alerta Jorge Jamili.
Nada como um sistema imunológico forte para te proteger de microorganismos e te deixar mais saudável. Portanto, cuide dele para que a sua saúde esteja sempre boa. Prevenção é o melhor remédio!